Reprodução: Assessoria de Comunicação de Valparaíso de Goiás

 

Evento contou com a presença do prefeito Pábio Mossoró, do palestrante Juvenal Araújo Junior e faz parte do calendário de comemoração do 27º aniversário de emancipação da cidade

 

 

O Governo Municipal e sua Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania, em parceria com o Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial – COMPIR, promoveram na manhã desta terça-feira (21), na Câmara Municipal, Audiência Pública que tratou sobre A Importância da Criação do Plano e Fundo Municipal de Promoção da Igualdade Racial.

O evento, que contou com a cooperação da equipe do legislativo e palestra de Juvenal Araújo Junior, graduado em Administração e Gestão Pública (Secretário Executivo da Secretaria de Estado e Cidadania da Justiça do Distrito Federal, teve como objetivo abordar a importância de efetivar políticas públicas que promovam no município a igualdade racial da população negra, indígena e outras etnias.

Também entre as pautas debatidas, a discriminação racial, a redução das desigualdades sociais, econômicas, financeiras, políticas e culturais, bem como, ampliar o processo de participação social. Segundo o COMPIR, torna-se impossível pensar no desenvolvimento de políticas sociais no Brasil sem considerar o diferencial gerado pela exclusão econômica, social e cultural imposta à população negra, sendo esta, inclusive, a maioria da população brasileira (54%) de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

De acordo com o prefeito Pábio Mossoró, a iniciativa abriu a programação de aniversário do município, discutindo um tema essencial para o enfrentamento do racismo e das desigualdades racial. “Não podemos aceitar nenhum tipo de discriminação, seja racial ou religiosa. Precisamos construir políticas públicas e instrumentos que combatam o preconceito, conscientizando e reforçando que todas as pessoas devem ser respeitadas em suas diferenças”, concluiu o gestor.

Além do prefeito de Valparaíso, participaram da composição da mesa, o presidente do Poder Legislativo, Placido Cunha, a presidente do COMPIR, Mariângela de Mendonça da Silva, a secretária de Educação, Rudilene Nobre, entre outros convidados especiais.

Saiba como agir se for vítima de preconceito racial ou discriminação religiosa

  • Anotar data, hora, local, atos, frases e gestos discriminatórios praticados pelo agressor;
  • Procurar ajuda de possíveis testemunhas e anotar nome, telefone e endereço delas;
  • Identificar precisamente o agressor, se possível com nome e endereço;
  • Registrar Boletim de Ocorrência, explicando que a motivação da discriminação, agressão física ou verbal foi racial ou religiosa.