Boom Supersonic revela novo design para jato supersônico Overture Boom Supersonic

 

Jato, programado para entrar em produção em 2024, voará Mach 1,7 (cerca de 2.099 km/h)

 

Já se passaram quase 20 anos desde que o Concorde voou pela última vez. Enquanto várias empresas começaram a trazer viagens supersônicas de volta à vida desde então, ainda estamos para ver isso se concretizar.

No entanto, a startup Boom Supersonic, com sede no Colorado, está dando alguns grandes saltos em sua busca para tornar o voo supersônico uma realidade novamente.

Quase dois anos depois de lançar seu protótipo de demonstrador supersônico, o XB1, a Boom revelou um novo design importante para seu muito aguardado avião comercial Overture, que voará com o dobro da velocidade dos jatos comerciais subsônicos de hoje e deverá transportar seus primeiros passageiros em 2029.

Renderizações da aeronave, que está em desenvolvimento há vários anos, foram reveladas esta semana durante uma coletiva de imprensa no Farnborough Air Show, um evento comercial de aviação com sede no Reino Unido.

O design atualizado não apenas apresenta um motor extra, mas também possui uma fuselagem contornada e asas de gaivota.

Design refinado

Uma renderização da aeronave Overture supersônica redesenhada da Boom Supersonic. / Boom Supersonic

De acordo com Kathy Savitt, presidente e diretora de negócios da Boom Supersonic, o design refinado é o resultado de cerca de 26 milhões de horas de simulação de software, cinco testes de túnel de vento e 51 iterações de design.

“Tivemos que realmente dedicar um tempo para aprender, iterar, caminhar”, disse Savitt à CNN Travel do Boom Chalet no Farnborough Air Show.

“Não há nada como ter uma aeronave real para aprender, além dos simuladores e das horas computacionais, o que acho que resultou em um avanço notável e uma aeronave notável”.

A aeronave, programada para entrar em produção em 2024, voará Mach 1,7 (cerca de 2.099 km/h) sobre a água com alcance de 7.242 quilômetros náuticas e capacidade para 65 a 80 passageiros, diz a equipe da Boom.

Em janeiro, a United Airlines encomendou 15 dos jatos supersônicos, que poderiam voar de Nova York a Londres em apenas três horas e meia.

Enquanto isso, a Japan Airlines investiu US$ 10 milhões na Boom em 2017 e tem a opção de comprar até 20 aeronaves.

Além disso, a startup de aviação anunciou recentemente uma parceria com a empresa de tecnologia militar norte-americana Northrop Grumman para desenvolver uma variante militar do Overture.

Aeronaves de carbono zero

Empresa promete velocidade de 1,7 mach / Boom Supersonic

As preocupações com o ruído, juntamente com seu impacto ambiental, desempenharam um papel significativo no desaparecimento do Concorde, e a Boom está se esforçando para garantir que este jato supersônico seja sustentável e mais silencioso.

“Nossa visão sempre foi que o Overture fosse o primeiro avião de folha limpa que foi desenvolvido e otimizado para funcionar com combustível de aviação 100% sustentável”, explica Savitt.

“E hoje em relação à época do Concorde, podemos usar materiais compostos de carbono em toda a nossa fuselagem, nas asas e na cauda vertical, o que nos permite ser muito mais aerodinâmicos e muito mais eficientes. Isso ajuda a reduzir o arrasto, que consome combustível, além de tornar o avião muito mais eficiente em termos de combustível.”

A United já se comprometeu a voar sua frota Overture com combustível de aviação 100% sustentável (SAF).

De acordo com Savitt, a introdução de um quarto motor no projeto atualizado da aeronave ajudará a reduzir consideravelmente o ruído, enquanto o Overture utilizará o primeiro sistema automatizado de redução de ruído do mundo.

“Nós realmente nos concentramos em como tornar nossas decolagens e pousos tão silenciosos, se não mais silenciosos, do que qualquer outro avião de longo curso saindo de qualquer aeroporto”, explica ela. “E foi isso que conseguimos alcançar.

“Nós não vamos voar supersônico sobre a terra, vamos voar supersônico sobre a água. Então esse ‘boom’, por assim dizer, é sobre o alto mar.

“Mas ainda estamos voando a Mach 0,94 sobre terra, e era muito importante para nós sermos bons para a comunidade ao redor dos aeroportos, realmente abordando o ruído”.

Desenvolvimentos supersônicos

Os esforços para aumentar a velocidade das aeronaves de passageiros vêm ganhando força nos últimos anos.

A Nasa se uniu ao fabricante de aeronaves Lockheed Martin para desenvolver o X-59, uma aeronave supersônica experimental “silenciosa”, a fim de coletar dados que serão compartilhados com reguladores americanos e internacionais para ajudar a determinar novas regras baseadas em som para voos supersônicos.

No início deste ano, a fabricante de aviões Bombardier confirmou que seu veículo de teste, o Global 7500, havia quebrado a velocidade do som durante um voo de demonstração em maio passado, atingindo velocidades superiores a Mach 1.015.

Em 2020, a startup de aviação Aerion revelou planos para um avião comercial Mach 4+ chamado Aerion AS3, mas a empresa com sede na Flórida entrou em colapso no ano seguinte.

“A aviação não vê um salto gigante em décadas”, observou o fundador e CEO da Boom, Blake Scholl, em comunicado este mês, antes de declarar que a Overture “mudar fundamentalmente a forma como pensamos sobre a distância”.

A Boom agora tem mais de 600 rotas diferentes em todo o mundo planejadas para Overture.

Construindo conexões

“Estamos realmente focados em conectar pessoas”, diz Savitt. “No final das contas, queremos que o Overture seja não apenas o mais rápido, mas o mais sustentável e o avião mais acessível para qualquer um voar supersônico.

“Em um mundo onde você quer acelerar essa conexão humana, não deveria ser que apenas poucos consigam fazê-lo.”

Embora Scholl tenha dito anteriormente que o objetivo de longo prazo da Boom é levar passageiros a qualquer lugar do mundo em quatro horas por US$ 100, é seguro assumir que é improvável que vejamos assentos à venda a esse preço por um longo tempo. .

Ressaltando que “depende das companhias aéreas como eles precificam”, Savitt estima que um voo Overture custará inicialmente cerca de 25% a mais do que uma classe executiva e cerca de 75% menos que o Concorde, que cobrava cerca de US$ 12 mil por uma viagem de ida e volta. nos anos noventa.

Além da velocidade, segurança e sustentabilidade, descritos como seus “princípios fundamentais”, a empresa colocou muito foco na experiência do cliente.

Os passageiros terão a opção de alternar entre várias experiências digitais a bordo e personalizar suas janelas de acordo durante a viagem.

Haverá vários modos de voo disponíveis, incluindo um modo de produtividade para quem deseja se concentrar no trabalho, um modo de relaxamento para passageiros que desejam dormir um pouco e um modo de exploração para quem deseja prestar muita atenção à sua rota enquanto estiver no ar.

Revolução nas viagens aéreas?

Savitt diz que a Boom sentou-se com milhares de passageiros em potencial para entender melhor suas necessidades e eles descobriram que o desejo por velocidade sustentável tem sido consideravelmente alto.

“Eles querem uma nova experiência de voo”, diz Savitt. “Eles não querem gastar o dobro do tempo em um voo, especialmente pós-Covid”.

Embora ainda haja um longo caminho a percorrer antes de vermos a aeronave iniciando os serviços de passageiros, os testes de táxi já começaram no XB1, e a equipe da Boom está “trabalhando para colocá-la no ar”.

“Estamos chegando muito perto agora”, acrescenta Savitt.

Então, o supersônico poderia realmente ser o futuro das viagens, ou é apenas um sonho que nunca vai realmente decolar?

Ainda não há uma resposta clara para essa pergunta, mas os avanços feitos pela Boom, bem como as conquistas de alta velocidade do veículo de teste de voo Bombardier Global 7500 e o envolvimento da Nasa, certamente são desenvolvimentos empolgantes e esperançosos.

Savitt acredita que o Overture tem o potencial de revolucionar as viagens aéreas da mesma forma que o jato jumbo 747 da Boeing, que estreou comercialmente em 1970 e ficou conhecido como a “Rainha dos Céus”.

“Em última análise, adoraríamos promover uma mudança de paradigma, onde o supersônico se tornasse realmente a maneira como as pessoas querem voar”, diz ela.

“É sustentável. É rápido. Muda a jornada, pois você pode passar mais tempo conectando-se ao seu destino. “Em 10 ou 15 anos, esperamos que seja a primeira escolha de viagem, porque é um diferencial.”

 

Com informaçõe da CNN